Notícia

No Dia do Frevo, Cepe abre circuito carnavalesco de cultura

Nesta terça-feira, 9 de fevereiro, Dia do Frevo, a Companhia Editora de Pernambuco abre a edição de Carnaval do Circuito Cepe de Cultura-2021 com? frevo, meu bem! Tem show de Spok Quinteto, bate-papo com maestros, roda de conversa com carnavalescas, exibição de filme, atração infantil e oficina de adereços e fantasias. As apresentações e atividades, gratuitas e no formato digital (www.circuitoculturalpe.com.br), começam às 10h. O circuito continua na quarta-feira (10) e termina na quinta (11). Se você quer criar fantasias para brincar o Carnaval em casa não perca as oficinas organizadas pela Família Pernambuco, grupo formado por artistas com mais de 25 anos de experiência em cultura popular, às 10h. "Vamos ensinar como se faz modelos mais conhecidos e mais típicos, com materiais fáceis de serem encontrados ou que a pessoa tenha em casa", diz Maria Carmen Queiroz, uma das integrantes do grupo. Do tule e da fita, por exemplo, pode nascer uma saia de frevo, ilustra a artista. "A máscara que vamos produzir, no primeiro dia das atividades, faz alusão ao chapéu dos Caretas (protagonistas do Carnaval de Triunfo, no Sertão) e a partir dessa sugestão é possível inventar outras peças", comenta Maria Carmen. Essa, diz ela, é a mesma proposta das oficinas de estandarte da quarta-feira e de dança na quinta, sempre às 10h. "No último dia, mostraremos formas de aproveitar as peças confeccionadas em brincadeiras no quintal de casa ou na varanda do apartamento." Assim como as oficinas são destinadas às crianças, mas não exclusivas para elas, a atração infantil A Bandinha, às 17h, também pode reunir o público infantil e adulto. "Somos uma banda para crianças de 0 a 100 anos, a diversão é para todas as idades", avisa a cantora e produtora do projeto, Vanessa Oliveira. No circuito, ao som de baixo, guitarra, bateria e trompete, ela vai cantar músicas do universo do maracatu, coco-de-roda e ciranda. "É um baile de Carnaval para a família", diz Vanessa. Os amantes da folia também podem se deleitar, nesta terça (9), com uma boa prosa sob a batuta dos maestros Duda, Ademir Araújo (Formiga) e Marcos FM, às 15h. A mediação é do pesquisador e crítico musical Carlos Eduardo Amaral. "Será uma conversa sobre o nosso trabalho", observa José Ursicino da Silva, o Maestro Duda. Aos 85 anos de idade e 70 de carreira, ele disse que verá, pela primeira vez, o Recife sem Carnaval. Às 19h, as carnavalescas Naize Abreu e Lourdinha Nóbrega, a musicista Milla Bigio e a trompetista Nadja Ribeiro falam sobre o frevo, numa roda de conversa com apresentação do músico e pesquisador Climério de Oliveira. Quem encerra a programação de abertura, a partir das 21h, é Inaldo Cavalcante de Albuquerque, o famoso Maestro Spok, ao som de frevo - de bloco, canção e de rua -, maracatu e caboclinho, com Spok Quinteto. "É um show para matar a saudade do público, do frevo e do Carnaval. Saudade que está completando um ano e que vai chegar a quase dois anos, porque não teremos Carnaval em 2021", declara o maestro e saxofonista. Ele disse que concorda com a decisão do Governo do Estado de suspender a folia para evitar aglomerações e diminuir os contágios da Covid-19 em Pernambuco. "Esse momento de pandemia é sério e grave, toda a cadeia que trabalha no Carnaval está passando por muitas dificuldades, porém, a vida é mais importante", ressalta Maestro Spok. O show de Spok Quinteto terá uma hora de duração. O circuito é promovido pela Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) e tem curadoria da Fundação Gilberto Freyre.